29 março 2013

Ausência

Uma amiga minha me ligou há algum tempo atrás preocupada comigo porque sabia que eu estava doente e, segundo ela, como eu nunca falo nada sobre mim mesma, ela ficou preocupada achando que talvez eu estivesse escondendo algo. Tudo isso porque sou reservada. Então eu disse que se estivesse acontecendo algo de grave eu diria e a resposta que eu ela me deu foi a seguinte: "Com você nunca dá pra saber o que está acontecendo de verdade, você guarda tudo pra você". Não tive como responder a isso pois é a mais pura verdade. Sendo assim, resolvi colocar aqui o poema do qual eu tirei o trecho que está na descrição deste blog:



Se te pareço ausente, não creias:
hora a hora minha dor agarra-se aos teus braços,
hora a hora meu desejo revolve teus escombros,
e escorrem dos meus olhos mais promessas.
Não acredites nesse breve sono;
não dês valor maior ao meu silêncio;
e se leres recados numa folha branca,
Não creias também: é preciso encostar
teus lábios nos meus lábios para ouvir.
Nem acredites se pensas que te falo:
palavras
são meu jeito mais secreto de calar.


Lya Luft

Não creio que meu mistério seja verdadeiro e pontual. Ele é espontâneo e é geral, às vezes, acho que todos sofrem com o meu silêncio mas também já estão acostumados a ele pois ele é parte de mim e sem ele eu nada seria!!!!!!!!!!!!!! Eu não escondo, só não quero falar!!!!!! Em algum tempo passado todos já souberam demais, entrei há alguns anos no tempo de calar, nada mais resta a não ser isso, e calar é o maior consolo de todos, principalmente quando não se é cobrado pelas pessoas ao nosso redor... As minhas dores são só minhas... apenas o resto compartilho!!!






 

21 fevereiro 2013

Hemingway... sem palavras!!!



"Morrer era nada, e ele não tinha uma imagem da morte, nem medo dela na mente. Mas viver era um campo de trigo ondulado ao vento numa encosta. Viver era um gavião no céu. Viver era um jarro de cerâmica com água na poeira do debulho do trigo, batido na eira com o mangual, e a palha esvoaçando. Viver era um cavalo entre as pernas e uma carabina sob a coxa, uma colina, um vale, um riacho com os pinheiros ao longe, mais adiante outro vale, e outras colinas além".

Ernest Hemingway - Por quem os sinos dobram




06 janeiro 2013

Ano Novo, Vida Nova! Será?


Sabe quando a vida parece te levar sempre para o mesmo caminho e todos os começos paracem ser exatamente o mesmo começo, aí você percebe que não paracem ser o mesmo começo, são exatamente o mesmo começo. É isso que eu preciso mudar mas não sei como... com tantas lembranças, com tanta carência e vulnerabilidade é muito difícil mas é necessário se eu não quiser ficar ainda mais amarga  e desanimada e, algumas vezes, até infeliz.



Enfim desisti... de esperar... não há nada pelo qual esperar... é seguir... sozinha, como sempre e quem sabe assim meu ânimo volte quando não houver mais expectativas.


Assombros
Às vezes, pequenos grandes terremotos
ocorrem do lado esquerdo do meu peito.
Fora, não se dão conta os desatentos.
Entre a aorta e a omoplata rolam
alquebrados sentimentos.
Entre as vértebras e as costelas
há vários esmagamentos.
Os mais íntimos
já me viram remexendo escombros.
Em mim há algo imóvel e soterrado
em permanente assombro.

Affonso Romano de Sant'Anna

03 dezembro 2012

Caminhando

2ª graduação no muay thai hoje... Mas, apesar de praticar muay thai o que me vem na cabeça é o ensinamento mais f*** que eu já vi, de um cara que é fantástico... Todos já leram ou viram o video mas nunca é demais!!!!!


E um wai kru, para me dar inspiração para o wai kru que eu farei hoje!!!!!!! Faz parte do ritual de graduação!!!!!!

03 setembro 2012


                                           Apenas uma canção para começar bem a semana:


It's alright
Forget what you don't have
Forget that you don't
Just forget it
Forget that you're afraid
Forget that you are
Don't panic
Forget that you're alone
Everyone's alone
Think about it
It's alright
And when it ain't easy
It's just life
Don't worry
It's alright
We're all in the dark
Looking for the light, the light
Don't worry

Forget that you can't love
Forget that you can't
Just forget it
Forget the reasons why
Forget the reasons
Can you do that
Forget that you are lost
Everyone gets lost in the journey
Chorus
Stop take a look around you
Just stop maybe it'd be better
If you calm down
It's alright

Phil Roy




10 julho 2012

Descobrindo novos amores


Tenho tido sorte nos últimos anos... Descobri vários amores adormecidos ou reprimidos dentro de mim e que me trouxeram e ainda trazem imensas alegrias: a dança e a luta, mais especificamente, o muay thai. Da dança precisarei abdicar por algum tempo, infelizmente... mas com a certeza que assim que puder retornarei. E, como é sempre com Neruda que celebro minhas dores e felicidades, desta vez não seria diferente, não será diferente. Uma celebração aos meus dois amores!!!!!!!!!



PODERES

Talvez o amor restitui um cristal quebrantado no fundo
do ser, um sal espargido e perdido
e aparece entre sangue e silêncio como a criatura
o poder que não impera senão dentro do gozo e da alma
e assim neste equilíbrio poderia fundar uma abelha
ou encerrar as conquistas de todos os tempos em uma papoula,
porque assim de infinito é não amar e esperar à beira de um riacho redondo
e assim são transmutados os vínculos no mínimo reino recém-descoberto.




O CANTO

A torre do pão, a estrutura que o arco constrói na altura
com a melodia elevando sua fértil firmeza
e a pétala dura do canto crescendo na rosa,
assim tua presença e tua ausência e o peso de tua cabeleira,
o fresco calor do teu corpo de aveia na cama,
a pele vitoriosa que tua primavera dispôs ao lado
de meu coração que golpeava na pedra do muro,
o firme contato de trigo e de ouro de teus ensolarados quadris,

tua voz derramando doçura selvagem como uma cascata,
tua boca que amou a pressão dos meus beijos tardios,
foi como se o dia e a noite cortassem seu nó mostrando entreaberta
a porta que une e separa a luz da sombra
e pela abertura assomasse o distante domínio
que o homem buscava furando a pedra, a sombra, o vazio.

07 abril 2012